Você está aqui
Home > Notícias > Buscando maior intimidade com Deus

Buscando maior intimidade com Deus

Oficinas de Oração e Vida ensinam modalidades de oração que eram feitas por Jesus Cristo

“Aprender a orar para aprender a viver”. Esta frase pode ser considerada como  lema das Oficinas de Oração e Vida, que existem em Londrina desde 1992 e há dez anos atuam na Paróquia São Vicente de Paulo. Originalmente, as Oficinas são chamadas de Talleres de Oración y Vida, ou simplesmente TOV. Mais de 40 países trabalham atualmente com as Oficinas.

O movimento foi criado pelo frei espanhol Ignacio Larrañaga (1928-2013), sacerdote capuchinho, no ano de 1984. No entanto, a prática das Oficinas somente foi reconhecida pelo Conselho Pontifício para os Laicos em 1997, e confirmado este reconhecimento pelo Papa João Paulo II em 2002. À época, o pontífice disse que “é de grande importância para a comunhão o dever de promover as diversas realidades de associação, tanto as modalidades mais tradicionais como os novos movimentos eclesiais, para que sigam dando para a Igreja uma nova vida que é o dom de Deus”.

As TOVs buscam, com uma visão mais positiva, uma nova forma de evangelização, possuindo uma maior adaptação às necessidades da nossa sociedade atual. Tudo isso, baseado no amor. “O objetivo é trazer um amadurecimento na fé, para que a pessoa possa servir a Deus e criar uma intimidade com Ele. As oficinas ensinam a sentir a presença de Deus”, disse uma das guias de Oficina, Eloisa Bormio.

Eloisa completa dizendo que as TOVs contribuem para um reconhecimento da função pastoral. “Todos nós temos dons e, muitas vezes, a gente precisa ter esse discernimento. ‘Tenho vontade, tenho desejo. Mas onde?’ Quando você participa da Oficina, você aflora (esse discernimento). Ou a pessoa segue para ser um guia ou então ela descobre alguma outra pastoral e serviço dentro de sua própria comunidade”.

Encontros e modalidades de oração

As Oficinas de Oração e Vida são realizadas duas vezes por ano, nos meses de março (primeiro semestre) e agosto (segundo semestre). As datas são sistematizadas pela Coordenação Mundial. Com isso, em um mesmo dia em que acontece uma Oficina no Brasil, também acontece na Espanha, por exemplo. De acordo com os guias, as Oficinas atendem a um número máximo de 25 pessoas, considerado ideal para que os ensinamentos possam ser transmitidos de forma efetiva. Os materiais utilizados nas sessões são extraídos das obras de Larrañaga.

A metodologia de trabalho é baseada em uma pedagogia progressista sustentada por um caráter metódico e sua disciplina compromete o participante em três dimensões: com Deus; consigo e com os outros. “É essa relação que Ignacio coloca para a pessoa, de que ela não está sozinha e possui ao seu redor Deus e as demais pessoas”, diz a guia Sonia Hutul. As sessões também seguem as linhas ascendente e descendente. Na ascendente, o homem responde a Deus; na descendente, Deus fala ao homem. É neste diálogo que os guias acreditam fluir a intimidade com o Deus deixando as preces mais espontâneas.

Baseando-se nos encontros destinados aos adultos, a duração de cada TOV é de 15 sessões, sendo um encontro por semana, com duração de duas horas. Dentro das reuniões, as TOV procuram fazer com que cada participante livre-se de seus ressentimentos, mágoas, frustrações e outros sentimentos negativos, conciliando suas relações familiares, profissionais e sociais, para enfrentar com sabedoria e serenidade os desafios do dia-a-dia. “Chamamos de Oficina de Oração e Vida porque nossas decepções e más experiências nos distanciam do processo de oração. Aqui, ela passa por um processo de cura de tudo o que a impede de se aproximar de Deus”, comenta Eloisa.

A cada sessão, uma modalidade de oração é apresentada, totalizando 14. “Quando você inicia uma sessão, vem pessoas de diversas formas, seja quem nunca abriu uma bíblia ou quem já possui uma caminhada na Igreja. Em cada encontro, Frei Ignacio apresenta um jeito de orar. Existem pessoas mais visuais, outras auditivas. Entendendo isso, o Frei colocou uma modalidade por sessão, onde ali a pessoa treina aquela em específico durante uma semana, seja em sua casa ou no seu trabalho, isso nós chamamos de prática semanal”, afirma Sonia. Eloisa reforça que as modalidades trazidas por Larrañaga foram baseadas na Bíblia. “Isso (as modalidades) não foi inventado pelo Frei. Ele pegou os evangelhos de Cristo e elaborou essas formas de orar. Isso é fundamentado. Jesus orava desse jeito”.

Também em cada sessão é entregue ao participante uma folha com uma leitura diária, a modalidade de oração e a vivência, baseados no tema do encontro. Ele deverá, segundo as guias, comprometer meia hora de seu dia, para invocação do Espírito Santo, meditação e prática da modalidade de oração, para desenvolver o hábito de estar com Deus todos os dias. Esta prática é chamada, segundo os guias, de “Sagrada Meia Hora”. “Jesus se retirava nas montanhas, que era a sua Sagrada Meia Hora, e depois saía para os seus afazeres, que é a nossa vivência”, diz Sonia.

Os guias

A função do Guia é de ensinar a orar, colocando em prática o espírito e os conteúdos trazidos pelo Manual, ao mesmo tempo, de abrir uma fortaleza de paz e alegria nos corações dos participantes. Ao mesmo tempo em que a tarefa é eminentemente evangelizadora, é também uma tarefa eminentemente humanitária.

À frente dos guias, existe uma hierarquia, passando pelas coordenações locais, coordenações nacionais, zonais (em vários países) e coordenações internacionais.

Dados de 2016 da própria organização das Oficinas apontam que o Brasil possui mais de 5 mil guias. No mundo, este número ultrapassa 18 mil. Londrina, que faz parte da coordenação 17 (com sede em Maringá), possui 23 guias. Muitos deles também assumem funções nas coordenações locais, como formador, tesoureiro, responsável TOV jovem e coordenador.

Novos locais

A Oficina de Oração e Vida não é um movimento fixado em apenas uma paróquia ou capela. A comunidade que deseja receber os encontros deve possuir uma disponibilidade de horário e espaço, além buscar a autorização de seu pároco. Em 2018, além da Paróquia São Vicente de Paulo, a Paróquia Nossa Senhora Auxiliadora, o Santuário Nossa Senhora Aparecida, a Igreja Nossa Senhora do Silêncio e a Comunidade Javé Chammá (Ibiporã) também sediarão as oficinas.

Oficinas na Paróquia em 2018

Na Paróquia São Vicente de Paulo, as primeiras Oficinas de Oração e Vida de 2018 para adultos iniciam na próxima semana. Serão duas turmas: a primeira terá a reunião de abertura na segunda-feira (5), às 14 horas; a segunda turma se reunirá na terça-feira (6), às 19h30.

Mais informações pelo contato pelos telefones (43) 9 9915-3758 (Eloisa); (43) 9997-7875 (Sonia) ou pela Secretaria Paroquial, pelo número (43) 3339-0252.

 Mais sobre as TOV

Encontros

  • Para Jovens (a partir de 17-18 anos); duração de 10 sessões; 1 vez por semana; 1h45 min cada encontro
  • Para Adultos (geralmente a partir dos 28 anos); duração de 15 sessões; 1 vez por semana; 2 horas cada encontro;
  • Para Crianças (de 7 a 12 anos); duração de 10 sessões; 1 vez por semana; 1h30 cada encontro
  • Para Casais (grupo composto por 10 casais); duração de 6 reuniões; 1 vez por semana; 2 horas cada reunião;

10 pontos-chave

  • Baseado na Bíblia
  • Jesus Cristo como centro
  • Fonte de vocações apostólicas
  • Serviço exclusivamente laical
  • Caráter prático e experimental
  • Atividade orante, passo a passo, e adaptada à pessoa
  • Oficina libertadora e reparadora através do conhecimento de Deus e de si mesmo
  • Transformação à luz da Palavra
  • Compromisso com os pobres
  • Promoção dos valores do Evangelho

Por Edson Neves

 

 

Artigos similares

Topo